Algumas das principais vantagens na utilização das IG são, a saber:

Mercado:

– Facilitação da presença de produtos típicos no mercado, que experimentarão uma menor concorrência dos demais produtos com preço e qualidade inferiores;

– Melhoria na comercialização dos produtos, facilitando o acesso ao mercado através de uma identificação especial (aposição de selo específico nas embalagens);

– Favorecimento das exportações e protecção dos produtos contra a concorrência desleal externa;

– Melhoria no combate à fraude, ao contrabando, à contrafacção e às usurpações;

Produto:

– Estímulo da melhoria qualitativa e do nível técnico dos produtos, na medida em que estes são submetidos a controlos de produção e elaboração;

– Melhoria e estabilidade na demanda do produto, dado que se estabelece uma relação de confiança com o consumidor que, sob a etiqueta da IG, fia encontrar um produto de qualidade e com certas características;

Produtor:

– Vantagens comerciais para os pequenos produtores (cooperativas e associações) que normalmente possuem menor experiência e renome junto ao mercado e que através da aposição destes signos nos seus produtos conseguem aceder ao mercado;

– Satisfação do produtor que observa seus produtos serem comercializados no mercado com este sinal, valorizando o território e o conhecimento local;

– Divulgação e promoção dos produtos através da IG (propriedade intelectual colectiva) que apresenta certas vantagens quando comparada aos elevados custos associados ao marketing de marcas comerciais (propriedade intelectual individual);

Consumidor:

– Permite ao consumidor identificar os métodos de produção, fabricação e elaboração do produto, em termos de identidade e de tipicidade da região;

– Criação de relação de confiança junto ao consumidor relativamente à autenticidade dos produtos, pela acção das entidades reguladoras que são criadas e da autodisciplina que exigem;

Região:

– Estímulo de investimentos na zona de produção – por exemplo, investimentos para novos plantios, qualificação da mão-de-obra e aperfeiçoamento tecnológico no campo e na agro-indústria;

– Acréscimo do valor agregado dos produtos, já que o ciclo de transformação da matéria-prima ocorre na própria zona de produção;

– Aumento da participação no ciclo de comercialização dos produtos;

– Contributo para a preservação da diversidade da produção agrícola, das particularidades e da personalidade dos produtos, que constituem um património de cada região e país; e por fim

– Divulgação de produtos típicos, reforçando as especificidades do terroir.

DSC_0042

Assinatura Natália