Para conservarmos um bom vinho, devemos ter em consideração as condições adequadas de armazenamento de modo a evitar uma evolução irregular ou mesmo a deterioração da bebida.

Assim, para que possamos apreciar uma boa garrafa de vinho, não basta apenas fazermos uma escolha certeira do rótulo (tendo em conta as castas, a casa produtora e a colheita, por exemplo). Na verdade é preciso termos alguns cuidados com a maneira como armazenamos o vinho. Se pretendermos armazenar a bebida por um período longo, é recomendável optarmos por ambientes frescos e que estejam isolados de aromas fortes.

Se quisermos montar uma garrafeira estes são os principais aspectos a termos em conta:

  • Luminosidade: a luz propulsiona reações químicas dentro da garrafa. Assim, apesar da garrafa dos vinhos tintos já ser escura, de modo a filtrar os raios de luz, devemos mante-las em um ambiente escuro para não acelerarmos essas reações químicas.
  • Humidade:  devemos buscar um ambiente equilibrado, que não apresente uma humidade insuficiente ou excessiva. Isto porque um ambiente que apresente uma baixa humidade levará com que as rolhas sequem e diminuam de tamanho, permitindo a entrada de oxigénio na garrafa e, consequentemente, a oxidação do vinho. Já um ambiente muito húmido será propício ao desenvolvimento de micro-organismos que danificam as rolhas e os rótulos. Assim, a humidade relativa do ar deve rondar os 70%.
  • Temperatura: A temperatura deve ser constante e se verificarem oscilações, estas devem ser graduais. A oscilação de temperatura expõe a bebida à uma maturação prematura, pelo que a temperatura no local de armazenamento do vinho não deve flutuar mais de 1.6ºC no dia e 2.7ºC no ano. Um local muito quente provoca uma maturação acelerada ao passo que um local muito frio retarda a sua evolução.
  • Trepidação: no armazenamento devemos evitar ambientes de grande circulação ou expostos à trepidações. As garrafas devem ficar protegidas de movimentos/ vibrações, já que um vinho em maturação sofre reações químicas que definem lentamente o seu carácter final e as trepidações podem acelerar essas reações e deteriorar o vinho. Neste sentido, devemos dar preferência às pequenas garrafeiras que permitem reservar um espaço distinto para cada garrafa e assim ao pegarmos uma garrafa não iremos interferir nas demais.
  • Posição: em regra, as garrafas devem ser guardadas na horizontal, permitindo o contacto da bebida com as rolhas, mantendo-as húmidas e incólumes, de forma a vedar a entrada de oxigénio. Atente-se para o facto do vinho oxidar depressa quando em contacto com o oxigénio, comprometendo assim o seu aroma, paladar e cor.

 

Assinatura Natália