O enoturismo tem se tornado popular e entre as condições que concorrem para a expansão deste segmento de actividade turística destacam-se as rotas do vinho, itinerários especializados em regiões produtoras de vinho, bem como uma agenda cultural ampla durante todo o ano (festivais, museus, provas comentadas, cruzeiros, agro-turismo em quintas, aldeias vinhateiras e festivais enogastronómicos),  sem falar nas agradáveis   visitas às vinícolas que atraem milhões de turistas aos vinhedos todos os anos.

Este segmento turístico que explora viagens e passeios motivados pela apreciação das delícias do mundo de Baco e das tradições e cultura da região de produção, permite ao visitante se aproximar da cultura local e da arte da vinificação e, embora o vinho seja o grande destaque, o enoturismo permite ainda aos turistas a oportunidade de desvendar áreas rurais e o seu cenário natural, experimentar outros produtos, como queijos, pães e azeites, e saborear as especialidades regionais e a gastronomia local, estabelecendo ligações entre os espaços urbanos e as zonas rurais.

Os especialistas do sector acreditam que o movimento do turismo vinícola está a operar em apenas 20% do seu potencial, podendo duplicar num futuro próximo. Por certo, as experiências vínicas e gastronómicas são cada vez mais um factor de decisão na hora de escolher um destino para quem viaja em lazer.

banner

Assinatura Natália