A prova é o acto de examinar, avaliar ou comparar vinhos tendo como critérios a cor, os aroma, os sabores e as sensações táteis provocadas na boca. A depender do contexto, podemos ampliar este conceito e considerar prova também o evento organizado para esta finalidade. No mundo profissional do vinho, serão os enólogos e os escanções os profissionais tecnicamente especializados responsáveis pela prova de diferentes vinhos.

A palavra inglesa “tasting” pode ser igualmente utilizada como sinónimo de degustação ou prova, que é simplesmente o acto de saborear ou beber pequenas quantidades de vinho por prazer, sem necessidade de avaliação ou comparação.

Durante as provas de vinho, estes são agrupados em lotes para que os provadores realizem a degustação de maneira ordenada e se assim o entenderem, poder escreverem suas notas sobre a análise que fazem aos produtos. Desta forma, por mais subjectiva que esta seja, a prova de vinhos implica sempre  comparação e avaliação.

Se nos aproximarmos deste universo, vamos verificar que existem alguns tipos de provas e que estas variam conforme a finalidade, o procedimento escolhido e as colheitas a serem degustadas. Pela finalidade, as provas de vinho podem ser de quatro tipos: “prova técnica”, “prova comercial”, “prova e harmonização” e por fim, “prova privada”. Já pelo procedimento em que esta se realizará, encontramos:  “prova às claras”, “prova à cega” e “prova à cega dupla”. Quanto às colheitas a serem provadas, encontramos: “prova vertical” e “prova horizontal”.

Fiquem atentos aos próximos posts, explicaremos cada um destes tipos de provas!

Assinatura Natália