Natália Andrade

Apaixonada por vinhos, acredito que as coisas boas da vida devem ser brindadas. Encontre aqui dicas do que há de melhor no mundo da vitivinicultura.

Siga-nos
Newsletter

Instagram Feed
@winelicious_
Wine Tasting Notes
Recent Posts

Entrevista com a enóloga Susana Balbo

Entrevista com a enóloga Susana Balbo

Susana Balbo é  uma figura relevante na vitivinicultura argentina e mundial. Ela foi a primeira mulher a formar-se em enologia no seu país e ao longo de mais de 30 anos de carreira, teve a oportunidade colaborar com grandes vinícolas internacionais e assumir a presidência da Wines of Argentina por três vezes. Hoje, está a frente da prestigiada Susana Balbo Wines.

Fizemos uma breve entrevista com ela sobre a nossa paixão em comum, o vinho. Espero que gostem!!

Susana, como ganhou gosto pela enologia?

O gosto pela enologia foi fruto do estudo que fiz, uma licenciatura em enologia e também por ter tido professores realmente muito bons e muito apaixonados que me fizeram ter um enorme amor por esta profissão.

Qual a sua casta favorita?

Não tenho uma casta favorita porque todas quando bem trabalhadas têm um carácter muito especial. Tenho alguma preferência pela Cabernet Sauvignon e pela Cabernet Franc, em seguida pela Malbec e nas brancas, destaco a Torrontés.

Onde está para si o prazer de beber vinho?

Para mim o prazer de beber vinho é apenas mais um dos prazeres da vida, juntamente com boa comida, estar em família, com os amigos, faz parte da vida social do ser humano e é também uma maneira de se divertir.

Pode citar três características fundamentais para que você considere um vinho excelente?

Eu não acredito que sejam três as características fundamentais, mas sim uma só que é o equilíbrio e o balanço. Os vinhos têm de ser equilibrados e balanceados para serem agradáveis e dessa maneira, são apreciados porque não há desarmonia, não há falta de complementaridade entre todas as características do vinho.

Quando faz essa análise está a seguir em exclusivo a sua própria sensibilidade ou está a pensar no gosto de uma gama de consumidores que potencialmente vai comprar esse vinho?

É uma mistura de ambas as coisas, é a minha própria sensibilidade porque também sou consumidora de vinhos e gosto de provar vinhos de outras partes do mundo. Portanto, estou sempre inteirada e ligada ao que se passa ao redor do globo. Porém, ao ir aos mercados e trabalhar com os consumidores, posso perceber o que mais lhes agrada e se verificar se há uma mudança de tendências. Acredito que em uma vinícola é importante poder seguir estas tendências respeitando o estilo ou  a personalidade da vinícola, mas também é muito importante elaborar vinhos que os consumidores possam escolher.

Quantos aromas procura identificar num vinho? 

Não saberia apontar quantos aromas identifico, sei que nós mulheres temos a capacidade de identificar até 1.800 aromas diferentes e com treino podemos chegar aos 3.000. Acredito que esteja mais relacionado com a capacidade de associação, uma vez que os aromas se identificam em função da associação que fazemos com as coisas que vamos provando ao longo da vida como comidas, frutas, especiarias, etc e quanto mais coisas provarmos maior será a nossa capacidade de identificarmos aromas. Eu sou uma pessoa que viajo muito e que provo comidas de todos os tipos, então suponho que são muitos os aromas que identifico.

Quais são os aromas que fazem um vinho bom?

Eu acredito que os aromas que fazem um bom vinho são os aromas que identificam a casta, que estão descritos por distintos especialistas. Por exemplo, para fazer uma comparação breve, o Cabernet Sauvignon tem uma componente que se chama piperina que é presente na pimenta preta, então um bom Cabernet Sauvignon tem que ter um toque de aroma de pimenta preta. Na variedade Malbec há características aromáticas que são típicas dos morangos pelo que têm que ter aroma de morango ou nas uvas brancas como o Torrontés, os tioles. De qualquer forma, são componentes químicos difíceis de serem lembrados ou percebidos por um consumidor, porém como estes estão relacionadas com diferentes tipos de frutas, usamos muito a descrição de frutas para dizer qual é a característica de um vinho.

Captura de ecrã 2017-05-17, às 15.59.40

Alguma vez nos últimos anos foi capaz de beber um vinho sem vestir o papel de técnica, de enóloga?

Sempre provo um vinho primeiramente como consumidora, vejo se me agrada ou não. Além disso, quando estou a provar os meus próprios vinhos me coloco mais na pele de consumidora do que de enóloga, porque muitas vezes os vinhos que agradam aos enólogos não são aqueles que agradam o público. Então, primeiro penso como consumidora, vejo se este seria um vinho que escolheria para comprar ou não e, em seguida, entra o meu papel como enóloga, buscando a melhor expressão destes  vinhos que me agradaram.

O que você acha dos vinhos argentinos? O que aponta como maior qualidade e o que indica como fragilidade que pode ser ainda melhorada?

Os vinhos argentinos têm como qualidade fundamental o equilíbrio, são vinhos elaborados a partir de uvas maduras, essa é a sua principal qualidade, não são vinhos feitos a partir de uvas ainda verdes. Como fragilidade, acredito que as vezes, pela ansiedade dos enólogos, existam vindimas tempranas, ainda antes do ponto ideal de maturação das uvas o que não permite uma melhor expressão das castas. Isso pode ser melhorado através da experiência dos profissionais ou com a eleição de um estilo determinado de vinho  que  seja sempre seguido, percebendo então  o que se sucede.

Se você tivesse que produzir vinhos fora de Argentina, que outra região escolheria?

Eu gosto de Portugal. Acredito que tem um enorme potencial, mas que ainda não esteja totalmente expresso.

No seu entendimento, qual é a importância do terroir em um vinho?

É fundamental, é de uma relevância muito alta, visto que os vinhos e as uvas expressam o carácter do terroirO terroir dá alguma personalidade ao vinho e se temos vinhos com personalidade estes devem ser vinhos capazes de expressarem o terroir de onde eles vêm.

O que seria um sonho profissional ainda por realizar?

A verdade é que até agora eu fiz realizei todos os meus sonhos, não tenho um novo sonho. Deus me abençoou ao me dar muito mais do que eu esperava.

Qual é o seu vinho favorito entre Crios, Susana Balbo, Nosotros y Benmarco?

Todos eles são meus favoritos porque todos são frutos da criatividade e do trabalho pessoal e em equipa que desenvolvo com meu filho, com minha filha, com Gustavo, com Edy e com todas as pessoas que fazem parte desta equipa maravilhosa da Susana Balbo Wines.

Natália Andrade
blog.winelicious@gmail.com